site antigo fabio roberto
68 cipm




:: ‘Cultura’

Artistas afirmam que Projeto Seis e Meia abre as portas para o profissionalismo na cultura

Projeto seis e meia, Ilhéus.

Projeto seis e meia, Ilhéus.

As cantoras Jacque Barreto, Pri Luparelli e Laís Marques, que se apresentaram no Teatro Municipal, quarta-feira (10), consideram o Projeto Seis e Meia de grande importância para a produção cultural, porque abre as portas para o profissionalismo e divulga o trabalho dos artistas de Ilhéus. A nova temporada do Seis e Meia prossegue até 31 de outubro, quinzenalmente, sempre às quartas-feira, 18h30. No próximo dia 24, acontecem os shows de Eloah Monteiro, Cijay e Léo Abelha & banda.

A cantora Jacque Barreto ressalta que o Seis e Meia busca valorizar o artista regional, além de contar sempre com o carinho do público. “Como artista, só tenho a agradecer, e que venham outros projetos”. Por sua vez, Laís Marques enfatizou que, enquanto cantora e compositora, a oportunidade é imensurável. “Ter um projeto como esse, possibilita fazer minhas canções para o público de onde estou, vivo e trabalho. É uma realidade sonhada por todos os músicos. Na verdade, é uma iniciativa fantástica de grande magnitude”, afirmou.

Para Priscila Lucarelli, a proposta abre espaço aos artistas de Ilhéus e região. “Estimula o público a prestigiar as apresentações de quem é daqui com composições próprias. Além disso, é difícil conseguir espaço no circuito comercial. Então, é a forma de valorizar o ‘artista da terra’, reconhecer e fomentar também. Curitibana, morando há quatro anos na cidade, já me considero também ilheense. Estou muito feliz por apresentar no palco do Seis e Meia”, assegurou.

O secretário da Cultura de Ilhéus, Pawlo Cidade, destacou que o Projeto Seis e Meia é uma janela para os músicos da região, sobretudo de Ilhéus. “É uma porta para a profissionalização, reconhecimento e identificação do artista”.

Novos shows – O encerramento do Seis e Meia está programado para o dia 31 deste mês, com apresentação de Mucio Selecta, Mc Billyfat e Cabeça Isidoro. O ingresso custa R$ 2,00 e mais um quilo de alimentos.

Tenda TPI recebe planetário itinerante

Planetário em Ilhéus.

Planetário em Ilhéus.

Nesta quarta-feira (10) o Observatório Astronômico da UESC e o Planetário Bolha do Céu trazem histórias sobre o céu estrelado para a Tenda. Os planetas Júpiter e Saturno poderão ser vistos por telescópios que serão instalados no espaço cultural.

O planetário e o seu cinema imersivo nos levarão para uma viagem pelo Sistema Solar. As Sessões serão iniciadas a partir das 18h e terão 30 min custam R$12,00 inteira e R$6,00 a meia, mais um quilo de alimento não perecível.

Sucesso na estreia da Banda Quente em Ilhéus

Musicalidade em Ilhéus.

Musicalidade em Ilhéus.

Mais um importante capítulo foi consagrado à história musical de Ilhéus com o show “Eloah e A Banda Quente”, que aconteceu no último dia 28, sexta-feira, na praça Dom Eduardo, Praça da Catedral. Atraindo público bastante expressivo, o espetáculo em frente à Catedral de São Sebastião foi marcado pelo ritmo suingado e contagiante deste grupo de mulheres afro-brasileiras que celebra a continuidade do trabalho autoral da cantora Eloah Monteiro.

Escadaria da igreja lotada, aplausos efusivos, pedidos de bis e uma grande roda de dança ao final marcaram a estreia da banda cujo nome reflete bem sua filosofia musical: é quente porque une a ousadia de temáticas engajadas, o balanço sensual do legado rítmico afro-baiano e a inventividade poética da criação feminina. Formada por Eloah Monteiro (voz e violão), Izadora Guedes (pandeiro, flautas e efeitos) e Ticiana Belmonte (Octapad eletrônico, percussão e efeitos), a Banda Quente deu um show de arrojo e criatividade musical.

O evento marcou o nascimento de uma sonoridade genuinamente sul-baiana, protagonizada por mulheres musicistas que deram fôlego poético ao repertório composto por 15 composições de Eloah, arranjadas em parceria com a Banda Quente, sendo 4 dessas canções parcerias entre a cantora e outros compositores. Também foi tocada uma versão de Dindi, de Tom Jobim.

:: LEIA MAIS »

Coletivo 7 apresenta espetáculo O Quadro: a revolução começa nas margens

Cena de O Quadro.

Cena de O Quadro.

Tráfico de drogas, violência contra a mulher e relações familiares conflituosas são alguns dos temas abordados pela peça teatral “O Quadro: a revolução começa nas margens”. Encenada pelo Coletivo 7, a montagem volta ao Teatro Municipal de Ilhéus (TMI) neste mês de outubro com sessões nos dias 16 e 17 às 19h40. As entradas custam R$ 10 inteira e R$ 5 meia. A classificação indicativa é 14 anos.

Esta será a segunda temporada de “O Quadro: a revolução começa nas margens” no TMI, onde a peça estreou em 21 de setembro. A meta do grupo é que um novo público possa assistir à montagem, que representa realidades próximas às vivenciadas por jovens ilheenses. “As situações expostas criam o pano de fundo para que o empoderamento – principalmente, o feminino – seja conclamado”, afirma a diretora, Valdiná Guerra. 

Com Mariana Andrade e Thiago Navillon como assistentes de direção, a peça tem produção de Cris Passos e dos estudantes do Curso Técnico de Teatro do CEEP do Chocolate Nelson Schaun. Escrito por Romualdo Lisboa em 2003 e adaptado pelo Coletivo 7, o texto de “O QUADRO: a revolução começa nas margens” ainda se mantém atual. Segundo a diretora, o espetáculo não se omite sobre questões sociais vivenciadas nas periferias e centros. “É o retrato de uma realidade que precisa ser repensada com urgência”, ressalta.

Povos indígenas do Sul da Bahia cobram a demarcação de terras em caminhada

Marcha dos indígenas em Olivença.

Marcha dos indígenas em Olivença.

As cenas de harmonia vistas durante a 18ª Caminhada em Memória dos Mártires do Massacre, na manhã de domingo (30), reacenderam a lembrança dos antepassados que sucumbiram no ano de 1559, durante a Batalha dos Nadadores do Rio Cururupe. Movidos por cânticos e cantos indígenas, marcharam contra o “marco temporal”, pela demarcação de terras e pela defesa da descriminalização dos povos indígenas. O encontro foi promovido pelos Tupinambás de Olivença, mas somaram-se a eles as comunidades Pataxó e Pataxó Hã-Hã Hãe.

Ao todo, cerca de 1.500 indígenas formaram um cortejo multicolorido que percorreu sete quilômetros, entre a Pracinha de Olivença e a Praia do Cururupe, à margem da rodovia BA-001. “Irmãos e parentes, todos juntos e misturados”, comentavam entre eles. Quem acompanhava a manifestação, tinha a sensação de que, por mais altos que fossem os gritos não pareciam ser ouvidos, a não ser por aqueles que gritavam. “Uma luta que não cessa”, outros afirmavam. Sob o sol, era possível ver mães de pele queimada que amamentam seus bebês de peito aberto enquanto desfilavam.

Aos poucos, reuniam-se aos indígenas, nativos, ativistas e turistas que tomaram a praia do Cururupe, para ouvir as lideranças discursarem. Nas suas falas, a reafirmação dos direitos básicos que estão invisíveis aos povos originários, assim como a maioria da sociedade organizada, que segundo as lideranças, desconhecem a existência dos indígenas em sua composição. Entre as manifestações, apresentaram a ‘Tohe Porancy’, dança típica da cultura, juntamente com ritual em memória dos mártires.

Batalha do Conhecimento em tributo à rapper ilheense acontece no Teotônio Vilela

Na batalha pelo conhecimento.

Na batalha pelo conhecimento.

No dia 22 desse mês será realizado o evento ‘‘Batalha do Conhecimento: Tributo à Gato Preto’’, a partir das 16h na Praça Principal do bairro Teotônio Vilela. O projeto foi contemplado pelo Edital 001/2018 Cultura Livre da Secretaria Municipal de Cultura de Ilhéus, e tem como objetivo dar mais visibilidade à Cultura Hip Hop local e incentivar novos talentos, principalmente a juventude periférica.

Além da Batalha do Conhecimento, onde MC’s disputam com rimas criadas na hora (freestyle) a partir de um tema, a programação também conta com atrações musicais, intervenções poéticas e homenagem à Altino Jesus do Sacramento, o rapper Gato Preto (grupo A Família), nascido em Ilhéus, que foi assassinado em São Paulo no ano de 2016, vítima de violência que o mesmo tanto denunciava em suas músicas. A batalha irá abordar temáticas pertinentes ao cotidiano das comunidades periféricas e terá premiação para primeiro e segundo colocados, para participar basta se inscrever no local.

O projeto é uma realização do movimento Hip Hop de Ilhéus com apoio financeiro do Fundo de Cultura – SECULT Ilhéus e apoios culturais locais.

Grupo de Teatro realiza ensaio aberto no Nossa Senhora da Vitória

Cultura chegando nos bairros de Ilhéus.

Cultura chegando nos bairros de Ilhéus.

Em contrapartida ao edital Cultura Livre, a Trupe Teatro Sem Fim, realiza um ensaio aberto para a comunidade ilheense no bairro N. Sra. Da Vitória, na Associação Centro Educacional de Ação (ACEAI) da peça de teatro “O Grande Yorick” às 19 horas, nesta sexta-feira.

A peça conta a história de Willian Chagas e sua luta para ser um grande ator de televisão, ao mesmo tempo que sua vida pessoal segue em ruína, mostrando a infância sofrida na periferia trabalhando com a mãe vendendo acarajé e a fase adulta na cidade grande, onde ele vai em busca do seu sonho e descobre a ferocidade do sistema para aqueles que seguem a margem da sociedade.

A trama acontece nos dias de hoje e é livremente inspirada em dois grandes clássicos da literatura mundial, Dom Quixote de Cervantes, a triste figura, e Hamlet de Shakespeare, o príncipe louco da Dinamarca. Ambos autores compartilharam a mesma linha do tempo em suas existências, apesar de nunca terem se conhecido, todavia conceberam obras imortais e revolucionárias para além do seu tempo.

“Em épocas tão conturbadas e difíceis, com a retirada dos direitos da classe trabalhadora, o país voltando a extrema pobreza, e com a classe artística sob ataque constante de medidas arbitrárias do governo, apresentar a peça “O Grande Yorick”, montagem da Trupe Teatro Sem Fim, é um ato político de resistência, que usa como força motriz o poder da arte teatral contra a opressão” Enfatiza o diretor da peça Ed Paixão.

Essa é a primeira montagem da Trupe, que adota em sua metodologia, o teatro do oprimido, proposto por Augusto Boal. O espetáculo estreia nos dias, 19 e 20 de outubro, na Tenda do Teatro Popular de Ilhéus às 20 horas.  E segue online uma vaquinha para arrecadação de fundos para a produção da estreia da peça: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/o-grande-yorick

Ilhéus registra alta ocupação turística no feriadão de 7 de setembro

Cidade no alto.

Cidade no alto.

A cidade de Ilhéus registra alta ocupação turística para a temporada do feriado nacional da Independência do Brasil, 7 de setembro. Com praias exuberantes e diversos eventos confirmados para o final de semana prolongado, a cidade receberá muitos turistas. A rede hoteleira espera atingir ocupação de 90%, considerado um alto índice para este período do ano, além de outros meios de hospedagem. O fluxo de visitantes também impulsiona outros segmentos, como cabanas de praia, bares e restaurantes, mercado de artesanato, entre outros.

Grande parte dos turistas que vai curtir o feriado prolongado em Ilhéus tem origem no próprio estado da Bahia. De acordo com a consultora de marketing do Hotel Aldeia da praia, Juliana Nunes, as acomodações do equipamento estão com 100% de ocupação.  “A maioria dos visitantes são famílias vindas do interior da Bahia, principalmente da cidade de Vitória da Conquista, que vem para a Ilhéus aproveitar as belas praias e descansar”, informa.

Segundo Gerson Marques, diretor de Fomentos e Produção do Turismo da Setur (Secretaria de Turismo e Esportes), os grandes atrativos da nossa cidade são as belezas naturais. “A nossa cidade tem uma oferta de, aproximadamente, 100 quilômetros de praias, o maior litoral baiano. O turista regional é próprio desta época do ano, são pessoas que fazem viagens curtas, vêm de cidades próximas. Como estamos no início da primavera, começamos a sentir esse fenômeno na rede hoteleira”, afirma.

Exposição Ilhéus Minha Terra contemplará bairro Nossa Senhora da Vitória

Artista ilheense expõe obra.

Artista ilheense expõe obra.

De 14 a 16 de setembro acontecerá no bairro Nossa Sr.ª da Vitória a Exposição de Telas ‘‘Ilhéus Minha Terra’’ do artista plástico Renay Santana. O projeto foi contemplado na área de Artes Visuais pelo Edital 001/2018 Cultura Livre da Secretaria Municipal de Cultura de Ilhéus, e tem como objetivo oportunizar e descentralizar ações artísticas culturais, através das Artes Plásticas, levando uma exposição para o bairro para estimular e incentivar a produção e a apreciação de artes.

O artista plástico Renay (Renato Santana Ferreira) é conhecido popularmente em Ilhéus como ‘‘Artista’’, expõe suas telas a 12 anos em frente ao INSS no Calçadão da Marquês de Paranaguá, onde comercializa suas obras. A exposição trará o repertório do artista apresentando em suas telas criações em diferentes técnicas, mostrando aspectos culturais tanto locais quanto regionais, em especial os afrodescendentes, mulheres, elementos da natureza e paisagens.

O evento é aberto ao público e acontecerá no Centro Comunitário do Condomínio Sol e Mar, no dia 14 (sexta-feira) das 18h às 22h e nos dias 15 e 16 (sábado e domingo) das 9h às 18h. Ao final da exposição o artista fará o sorteio de uma das telas! O projeto é uma realização do artista Renay Santana, com financiamento do Fundo de Cultura – SECULT Ilhéus e apoio institucional da CASAR – Casa da Cultura Popular.

Para mais informações: (73) 98148-2160 (Renay)

Cabeça Isidoro celebra 20 anos de carreira musical no Teatro Municipal de Ilhéus dia 06

cabeça

2 décadas de sucesso.

Para celebrar as duas décadas de intensa criação musical, o cantor e compositor ilheense, Cabeça Isidoro, leva para o palco do Teatro Municipal de Ilhéus o seu mais novo show ‘Amor, Política e Ozadia’, que será gravado durante a apresentação e vai virar DVD. O evento acontece dia 06 de setembro, às 19h, com ingressos a R$10 e R$5, mais um 1kg de alimento não perecível que será doado para a ACEAI. Os ingressos estão à venda na livraria Papirus e no Badauê (Praça Rui Barbosa, Centro). Compras antecipadas garantem meia entrada para todos. A classificação é de 14 anos.

Neste show, o artista vai passear pela sua história musical por meio de canções que marcaram sua obra em projetos como as bandas Dr. Imbira, Improviso Nordestino, Crime Organizado, o espetáculo ‘Ensaio sobre uma tal democracia’, além de trilhas sonoras do grupo Teatro Popular de Ilhéus. Cabeça ainda compôs canções inéditas que serão executadas pela banda Os Inflamáveis, composta por Mailton Figueredo (baixo), Pablo Lisboa e Guilherme Pessoa (guitarras) e Lula Soares Lopes (bateria).

Chamá-lo de multiartista não é exagero. Cabeça acumula no currículo, além de mais de 400 composições, a experiência de músico, cantor, compositor, diretor musical em peças teatrais e festivais de música. Também constrói instrumentos sonoros alternativos, e é ator, produtor cultural e educador musical. Algumas de suas músicas podem ser ouvidas neste link: https://m.soundcloud.com/cabeca-isidoro/sets/ensaio-sobre-uma-tal-1

:: LEIA MAIS »

Exposição “Ilhéus Vista do Mar na Festa de Iemanjá” acontece dia 31, no Pontal

Mãe Laura, do Pontal.

Mãe Laura, do Pontal.

Na sexta-feira, 31, acontecerá a Exposição de Fotografias ‘‘Ilhéus visita do Mar na Festa de Iemanjá’’, no Ilê Axé Guainia de Oiá, liderado pela Yalorixá Mãe Laura Sandoyá. Trata-se de projeto contemplado na área de Artes Visuais do Edital 001/2018 Cultura Livre da Secretaria de Cultura do município, que tem como objetivo utilizar as linguagens da fotografia e do audiovisual de forma educativa afim de valorizar a cultura e as tradições afrodescendentes.

A programação vai de 9h às 17h contando com Exposição Fotográfica e de Vídeo, Palestra com Mãe Laura Sandoyá, Roda de Conversa e degustação de culinária típica. O evento é aberto ao público, todas as pessoas que queiram participar são bem-vindas. As fotografias e curadoria da exposição são de Nátali Yamas, Bacharela em Comunicação Social – Rádio e TV pela UESC, fotógrafa, documentarista e idealizadora do Núcleo Kisimbi de Pretas Produtoras.

O projeto é uma realização do Ilê Axé Guainia de Oiá, sob coordenação de Mãe Laura Sandoyá, com apoio institucional da CASAR – Casa da Cultura Popular.

Para mais informações: (73) 3632-2214.

Clique em leia e confira toda programação. 

:: LEIA MAIS »

Ilhéus: Grupo Maktub apresenta números cômicos nesta quarta

Maktub em ação.

Maktub em ação.

O Grupo Teatro/Circo Maktub apresentará nesta quarta-feira (22) o projeto Palhaços do Maktub, Números Cômicos. As apresentações ocorrerão no Centro Educativo Fé e Alegria, CEFA, no bairro Nossa Senhora da Vitória, em dois horários, ás 11h e ás 13h, para estudantes, pais de alunos e pessoas da comunidade que serão convidadas através de um cortejo com os palhaços que compõem o espetáculo.

O espetáculo de palhaçaria traz para a comunidade uma vivência especial com um dos maiores símbolos circense, o palhaço. A pesquisa do grupo de palhaços/atores com este espetáculo iniciou em 2011, produzindo diversas intervenções ao longo deste tempo. Além do espetáculo de números cômicos inspirados na palhaçaria mundial e criações próprias, o grupo já produziu duas outras peças circenses e o maior cortejo de palhaços do Sul da Bahia a Palhasseata de Ilhéus em seis edições. 

Clique no leia mais e confira programação completa. 

:: LEIA MAIS »

anuncie whatsapp

ILHEUS TONELADAS DE LIXO SAO RECOLHIDOS NA OPERACAO CIDADE LIMPA

outubro 2018
D S T Q Q S S
« set    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


web