prefeitura ilheus faculdade de ilheus fabio roberto



condominio barramares

:: ‘Cultura’

Orçamento da saúde destina R$ 85 mil para o Grupo Lesbos de Ilhéus

Parada Gay de Ilhéus.

Parada Gay de Ilhéus.

O Grupo Lesbos (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Homemtrans e Travestis) de Ilhéus, receberá R$ 85 mil reais da secretaria de saúde do Município. 

O valor é referente a obras e instalações da Entidade e está incluído no orçamento da secretaria de saúde para o ano de 2021.

Atualmente, o Grupo Lesbos tem na presidência Diala Magalhães, que concorreu ao cargo de vereadora, na eleição de 15 de novembro, mas obteve apenas 61 votos.

Clique e veja o valor.

Lei Aldir Blanc: Secretário Fábio Jr íntima Pawlo Cidade e mais 04 pessoas

Citados podem apresentar defesa.

Citados podem apresentar defesa.

A Comissão Especial Análise de Projetos do Edital Arte livre Lei Aldir Blanc, através do presidente, o Secretário de Cultura e Turismo, Fábio Júnior, intima os proponentes do Edital Arte Livre, que foram denunciados pelo produtor cultural Weliton Perelo Correa Júnior. 

Por meio da Portaria nº 004 de 06 de janeiro de 2021 publicado no Diário Oficial da prefeitura, ficam intimados a Associação Comunitária Tia Marita, representada por Viviane Souza Siqueira Couto; ex-secretário Pawlo Cidade; Romualdo Lisboa dos Santos, proponente do projeto “Sonho de Uma noite de verão; Maria Aldelita Santos Rodrigues; proponente do projeto I Festival de Arte E Cultura Dilazenze e Associação Comunitária Ilhéus Bahia, representada por Jhonnis Correia Melgaço.

Fica concedido o prazo de 24hs para que os citados apresentem defesa escrito na sede da Secretaria da Cultura e Turismo de Ilhéus. 

Confira a Portaria. 

Justiça nega liminar e prefeitura mantém proibição de música ao vivo em Ilhéus

Música ao vivo suspensa.

Música ao vivo suspensa.

A juíza Raquel Ramires François, da 1ª Vara dos Juizados Especiais de Ilhéus, indeferiu o mandado de segurança coletivo com pedido de liminar contra o decreto publicado pela Prefeitura, que proíbe a disponibilização de música ao vivo em estabelecimentos comerciais, bares, restaurantes, clubes, hotéis e similares do município.

Na decisão, a magistrada destaca que a realização de apresentações musicais ao vivo é um vetor a mais para atrair público, gerando, assim, aglomeração de pessoas.

Ao analisar a situação, a juíza reiterou a importância do isolamento social, que segundo ela, é uma das formas eficazes de evitar o contágio pelo novo coronavírus (Covid-19).

Live com Vilma Luz, Sara Reis e Nivaldo Mota

Artistas da música ilheense.

Artistas da música ilheense.

Acontece na próxima segunda feira, 21 de dezembro, às 2h da tarde, a tão aguardada live com as cantoras Vilma Luz e Sara Reis mais o músico Nivaldo Mota. No repertório, o melhor da Música Popular Brasileira (MPB), antigo e atual.

Será um momento descontraído entre gente amiga, sem ensaio, em que os artistas farão o que mais gostam, que é cantar. Quem ganhará é o público internauta por essa oportunidade de curtir a música de boa qualidade. Sintonize pelo facebook das cantoras Vilma Luz e Sara Reis.

Vilma Luz (também compositora) e o casal Sara Reis e Nivaldo Mota são conhecidos das noites de Ilhéus e cidades da região sul da Bahia e outras Brasil afora, onde já levaram suas artes de cantar e encantar.

Produção: Chanceller Produções Culturais e Jornalísticas.
chancellerpennha@gmail.com
Assessoria de comunicação
Marcos Pennha
(73) 98122-4384 (WhatsApp)

ONG Gongombira de Cultura e Cidadania é reconhecida como Ponto de Cultura pelo Governo do Estado

Gomgobira cultura ilheense.

Gongombira cultura ilheense.

Após 16 anos de fomento à cultura afro-brasileira, por meio do desenvolvimento de projetos socioculturais, a Organização Gongombira de Cultura e Cidadania foi reconhecida como Ponto de Cultura, na última segunda-feira (16) pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. 

Fundada em 2004, a ONG Gongombira tem sede localizada na Avenida Brasil, Alto da Conquista e é uma das instituições que possui vínculo com o Terreiro Matamba Tombenci Neto. A instituição tem diversos projetos desenvolvidos nas mais diversas linguagens artísticas, como dança, música, artes plásticas, artesanato, entre outros.  

O reconhecimento da ONG foi possível por atender aos critérios estabelecidos na Lei Cultura Viva 13.018, sancionada em 2014, pela ex-presidenta Dilma Roussef, considerada, para as entidades culturais, um marco histórico na evolução das políticas públicas para cultura. 

Para o presidente da ONG, Marinho Rodrigues, o reconhecimento formal é muito importante num momento em que estamos assistindo o desmonte da cultura a nível nacional. “É importante esse reconhecimento formal, que reforça o nosso trabalho e compromisso com a sociedade, nesse momento de turbulência, é bom que isso seja reafirmado”, explicou Marinho. 

Acompanhe a ONG Gongombira: 

Facebook:https://www.facebook.com/gongombira.ong/  

Instagram: https://www.instagram.com/gongombira.ong/  

Lei Aldir Blanc: Prefeitura de Ilhéus convoca candidatos aprovados para entrega de documentação

Auxílio emergencial para artistas.

Auxílio emergencial para artistas.

A Prefeitura de Ilhéus informa que os profissionais da cultura cujo cadastro foi homologado devem preencher os formulários de apresentação da contrapartida, declaração de membros do grupo, termo de compromisso de prestação de contas e declaração de paralisação de atividades para receber o auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc (LAB).

Todos os requerentes precisam apresentar as devidas comprovações até o dia 11 de novembro de 2020. A documentação deverá ser entregue na sala da Corregedoria, no Centro Administrativo da Conquista, situado à Avenida Brasil, nº 90, de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h. Os documentos necessários à concessão do benefício estão disponíveis aqui.

Lei Aldir Blanc: Secretaria de Cultura de Ilhéus esclarece pontos importantes sobre o auxílio

Fachada do Teatro Municipal.

Fachada do Teatro Municipal.

A Secretaria de Cultura e Turismo de Ilhéus (Secult) informa que o Decreto Municipal nº 068, de 25 de setembro de 2020, atende ao disposto no Decreto Federal nº 10.464/20 da Lei Aldir Blanc (LAB). Sobre o objeto em questão é importante esclarecer que os elegíveis terão que prestar contas dos recursos recebidos e apresentar uma contrapartida, sendo esta última de livre escolha do beneficiário, vide artigos 10 e 11 do decreto municipal.

Cada beneficiário elegível ou não poderá requerer sua pontuação formalmente. Estes mesmos grupos e artistas também poderão participar do Edital Arte Livre, que será lançado nos próximos dias. Com relação ao pagamento, a opção de parcela única, permitida em lei, tem como objetivo atender o maior número possível de agentes e grupos culturais. Mas há, também, uma limitação de recursos. Não havendo beneficiários suficientes para o limite estabelecido no decreto, os recursos sobressalentes serão redistribuídos entre os elegíveis com pontuação igual ou superior a 70 (setenta).

Segundo informa a Secult, não há complexidade em apresentar a documentação exigida, uma vez que 90% já foi utilizada no Cadastro Municipal, portanto, haverá uma portaria exigindo apenas a contrapartida e a documentação de identificação do elegível, conforme a LAB. Destaca-se também que toda avaliação é feita através de um barema, vide Carnaval Ouro Negro ou editais do Estado. A pontuação é dada de acordo com a apresentação dos documentos solicitados.

Além do mais, algumas avaliações usam critérios subjetivos que comprometem a elegibilidade de projetos. A Secult optou por critérios objetivos, a fim de permitir um alinhamento equânime a todos os beneficiários, sem distinção de mérito. Os critérios reconhecem a diversidade dos grupos e espaços culturais. O Anexo III do Decreto Municipal apresenta a tabela que mensura e pontua itens como representatividade e reconhecimento. Finda a publicação do decreto de regulamentação, a comissão avaliará os cadastros e, logo, publicará a decisão final.

Os reajustes necessários e a contrapartida deverão ser apresentados após a homologação, em formulário próprio e convocados através de portaria. Vale salientar ainda que a consecução de editais é uma exigência da lei que institui a quantia mínima de 20% dos recursos para tais fins. A comissão decidiu ampliar estes recursos no intuito de dar melhores condições a quem, de fato, sofreu com a paralisação das atividades.

No formulário de inscrição de projetos para o Edital Arte Livre, os proponentes poderão comprovar o índice de impacto da pandemia em suas atividades. Até o momento não se apresentou uma forma mais democrática e transparente do que a realização de editais. Os interesses de todos os envolvidos na comissão formada no município são coletivos e não individuais. A individualidade parte de quem apregoa inverdades e desconhece os encaminhamentos da comissão.

A Secult reitera que considera legítimas todas as manifestações que se somem à democracia e à transparência dos recursos destinados à cultura do município, desde que contenham fundamentação e propriedade.

Artista ilheense lança videoclipe alertando para o negligenciamento da saúde mental e emocional

Artista sulbaiana retrata

Artista sulbaiana retrata a saúde mental.

A cantora e compositora independente sul baiana Laís Marques lançou sábado, 26, o videoclipe da canção Alerta. A canção autoral aborda temas como exaustão mental, emocional e traz reflexões acerca dos adoecimentos causados por priorizarmos comportamentos e repetições de padrões que são construídos no nosso imaginário pela sociedade capitalista e seus valores invertidos. O artista visual do extremo sul da Bahia André Medina construiu uma narrativa através das imagens do videoclipe que dialogam perfeitamente com a mensagem da música, amplificando essas reflexões através dos olhos de uma jovem (Julia Medina) que contracena com espaços internos e externos de uma casa vazia. 

Para Laís Marques, a música é ferramenta de cura e bem estar. “Precisamos estar atentos, acolher e aconselhar ajuda profissional a quem sofre o resultado dos traumas causados pela sociedade. Jovens negros são maioria em casos de óbitos por suicídio no Brasil”. A artista conta a história desta canção em suas redes sociais e afirma que essa composição teve papel importante na travessia por uma fase conturbada de sua vida causada pelo negligenciamento de sua saúde mental e emocional em decorrência do excesso de trabalho. Ela define Alerta como um grande start sobre a brevidade da vida e a necessidade de adotar hábitos que cultivam o autocuidado.  

Com esta composição, Laís foi premiada como melhor intérprete em 2019 em um dos maiores festivais de música do país, o Festival Nacional da Canção. Para o videoclipe a faixa ganhou nova roupagem com produção musical conjunta entre ela, Isaque Silva e Dani Conti. A sonoridade tem texturas densas no arranjo melódico com a intenção de estimular experiências também sensoriais de reflexão. 

O período escolhido para o lançamento do trabalho reforça o objetivo da artista em contribuir com pautas de discussões sobre a prevenção do suicídio no setembro amarelo, mês de maior abordagem sobre o tema. O vídeo clipe foi ao ar neste sábado às 19hs no canal do youtube da compositora. Um bate papo minutos antes através de uma live entre os envolvidos na produção do videoclipe abriu os trabalhos para esta estreia. 
 
Videoclipe na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=uZ3v1eMkUQE 

Novo romance do escritor Pawlo Cidade está disponível para pré-venda

Nova obra do escritor

Nova obra do escritor Pawlo Cidade.

Na história do Brasil, 1968, foi o ano que não terminou por uma série de motivos políticos e civis. Para o pequeno povoado de Rio das Almas, que pertence a cidade de Betânia, o final da década de sessenta foi testemunha de uma série de ressureições públicas que colocou em xeque os limites entre a vida e a morte. Rio das Almas, também conhecido como o povoado dos “Santos”, mais novo livro do escritor e dramaturgo Pawlo Cidade, (Editora Chiado Books, 2020), que conta, entre outras histórias, sobre a família dos olhos violetas e de Deocleciano Pimenta, o filósofo suicida que tentou tirar a própria vida milhares de vezes. “Rio das Almas” retrata a história de um lugar que conheceu seu apogeu nos tempos áureos da mineração e da ferrovia, mas foi sucumbindo aos poucos desde a fatídica tragédia de 1949. 

Pawlo Cidade diz que “uns dirão que Rio das Almas é uma história de pecados; outros, que se trata de uma alegoria da morte. Para mim, que a escrevi, é a vida de um velho apaixonado e seu inimigo desequilibrado; de uma Maria que virou bicho, de muitas Marias de muitos segredos, e de um excomungado. É uma história de mil contos, três assombrações e um monstro. O rio das almas vivas, das almas peregrinas e das almas penadas é, do mesmo modo, o rio de Zé Romão Batista e Miguel Cervantes, o andarilho; Deocleciano e Maria Eunice, Pedro e Garcia, Jorge Baraúna, Tonho Deveras e dos gêmeos Avelino e Ariovaldo, filhos de Jason e Josué, mas nascidos de uma única mulher”. 

E ele completa: “É uma absurda história de uns santos Demônios e de uns demônios Santos. Quisera eu esquecer dos redemoinhos, da chegada dos pardais e do misterioso sumiço do menino invertido”. Para o escritor, Rio das Almas é, definitivamente, a passagem do que já foi, de dois burrinhos pedrês, uma mulher pombinha que virou uma joaninha e um padre holandês, que ao desembarcar em terras tupiniquins, se encantou com as nativas de ancas largas e seios volumosos. “É aqui que eu quero morar!”, e caiu de joelhos, beijando o chão, num gesto que foi repetido por muitos religiosos que vieram depois dele. 

A pré-venda já está disponível nas livrarias Martins Fontes, Livraria Cultura e Livraria da Travessa e também no formato e-book pela Amazon, Kobo, FNAC Portugal e Google Books. A previsão de lançamento é 19 de outubro.

Animação de palhaços de Ilhéus estreia nesta terça-feira

Galinha, uma das personagens da trama.

Galinha, uma das personagens da trama.

O episódio piloto “SACO VAZIO” apresenta pela primeira vez, os palhaços Palito (Ed Paixão) e Botijão (Gilberto Morais), do sul da Bahia, em versão bonecos stop motion com uma história de origem, e mostra o primeiro encontro dos palhaços e como nasce a amizade dos protagonistas da história. O roteiro do  primeiro episódio criado pelo diretor teatral, Ed Paixão, é construído através do humor físico com quase nenhum diálogo e foco na ação em cena que mergulha no drama de dois palhaços famintos, e assim realiza uma linda homenagem aos mestres do humor clássico com a recriação de algumas cenas inesquecíveis do cinema mudo, como a transformação do homem em galinha, visto no filme “Em Busca do Ouro (1925)” de Chaplin. 

Na trama, o palhaço Botijão saiu do isolamento do seu lar e foi no mercado, e gastou o restante da economia que tinha na compra de umas salsichas e uma galinha. Enquanto isso, o palhaço Palito, passa por necessidades financeiras, e acaba virando um morador de rua. Botijão retorna para a sua casa e se prepara para fazer uma excelente refeição, ele coloca a galinha para assar, e eventualmente, o cheiro de comida chega até o olfato de Palito na rua, que num instinto de sobrevivência se transforma numa visita não planejada pelo anfitrião da casa.  

A animação em Stop motion foi criada em total isolamento num salão dentro de casa, reciclando e reaproveitando matérias primas como madeira, isopor, tecidos, massas de biscuit, e emborrachados, para a construção do cenário e dos bonecos articulados. A trilha sonora foi criada especificamente para o episódio piloto da série animada pelos músicos Luan Borba e Toko Ciocca seguindo os protocolos de isolamento, proteção, e prevenção ao novo corona vírus (Covid-19). A direção de fotografia e captação de frames foi realizada por Larissa Paixão, formada em Comunicação Social Radio e TV pela UESC. 

O curta-metragem será lançado nesta terça-feira, 22 de setembro no youtube nos canais oficiais da FUNCEB e dos palhaços Palito e Botijão. Este projeto foi apoiado através do Edital 001/2020 Calendário das Artes 2020, 8ª Edição, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). 

Link do Teaser Oficial – https://drive.google.com/file/d/1TBXZmjmMztxmYQ1Hu4m1VNubR2xezi_C/view

III Periferia em Quadro discute temática sobre mulher em Ilhéus

Periféria em Quadro no Teatro de Ilhéus.

Periferia em Quadro no Teatro de Ilhéus.

A terceira edição do “Periferia em Quadro”, evento criado pelo O Coletivo 7, e este ano promovido em parceria com o Coletiva Rachas, traz para o ambiente virtual, devido à pandemia da Covid-19, uma programação recheada com direito a oficinas, espetáculos virtuais, lives, postagens temáticas e uma grande festa virtual (com todos em casa, claro). Com o tema “Moça, se achegue!”, dá continuidade às reflexões sobre questões referentes às mulheres e aos trabalhos quem realizam. O evento virtual acontece de 23 a 26 de setembro pelo google meet no  link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSceKHvvQpqOvUhMGh2SjA1_Totjo4Q2f8Bt6PjJ8t0mrFMyjA/viewform.

A contribuição auxiliará nas despesas do evento, mas não é uma condição para a participação das(os) internautas de todos os gêneros, já que o evento é aberto. Os valores das atividades e formas de contribuição serão postados nas publicações no Instagram @o_coletivo_7.

Periferia em Quadro – é um evento criado em 2018 pelo O Coletivo 7, grupo de Ilhéus que se dedica a produções artísticas, especialmente voltadas para o teatro. Na primeira edição, abordou como tema a juventude artista dos espaços de periferia e, na ocasião, apresentou seu primeiro trabalho cênico, “O Quadro”. Na segunda edição, o foco foi para os trabalhos realizados pelas mulheres artistas na cidade de Ilhéus, com o tema “Elas em Foco”. Este ano, o evento dá continuidade às questões das mulheres, com o “ Moça,se achegue!”, criando um espaço de discussão seguro, político e de acolhimento, abordado assuntos como espiritualidade, política, corpas, mulherada, periferia e arte. O evento se propõe um espaço de compartilhamento e de entendimento das falas plurais presentes, sendo aberto a todos os gêneros.

Confira a programação acessando leia mais.

:: LEIA MAIS »

Cantora ilheense lançará videoclipe que aborda discussões sobre o setembro amarelo

Canção abordará o setembro amarelo.

Canção abordará o setembro amarelo.

A cantora e compositora Ilheense Laís Marques se uniu ao fotógrafo e roteirista André Medina residente em Teixeira de Freitas para espalhar no mundo a prevenção do suicídio no mês de setembro. A parceria entre esses dois artistas independentes vai resultar em um videoclipe que será lançado no dia 26 de setembro no YouTube.

A canção traz uma reflexão acerca do tempo de vida,  prioridades e valores  construídos no nosso imaginário pela sociedade capitalista e seus valores invertidos. A música é um alerta para o negligenciamento da saúde mental e emocional da sociedade contemporânea.

Estes aspectos também são reforçados na construção densa do arranjo melódico da canção e na estrutura do roteiro do videoclipe. Portanto, vamos espalhar a notícia e aguardar a chegada desta nova obra no cenário artístico. 

Para garantir plateia na estreia, inscreva-se no canal da artista: 

https://www.youtube.com/c/laismarquesoficial 

Fique por dentro das novidades e da carreira da artista Laís Marques, pelas redes sociais: 

Instagram: @oficiallaismarques 

Contato – (73) 9 91007719 

Veja videoclipe “Primavera”: https://www.youtube.com/watch?v=Ae7tAkvP2os 

 

anuncie whatsapp

ILHEUS TONELADAS DE LIXO SAO RECOLHIDOS NA OPERACAO CIDADE LIMPA

janeiro 2021
D S T Q Q S S
« dez    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  




web