Desportistas e vereadores ilheenses.

Desportistas e vereadores ilheenses.

Em 2016, José João Rodrigues começou a praticar corrida na avenida Soares Lopes, em Ilhéus. O espaço sempre foi um atrativo para um treinamento para competições de alta performance. Àquela época, ainda sem a nova ponte e um fluxo menor de carros, era possível dividir a pista e treinar em toda a orla. Hoje, maratonista profissional e com diversos títulos na carreira, José João, infelizmente, não consegue mais treinar na artéria. A nova ponte, que chegou há pouco mais de um ano, trouxe um aumento considerável no fluxo de carros na região. “Ficou impossível correr sem colocar a vida em risco”, reconhece. Hoje (10), ele apresentou uma proposta de criação de uma pista alternativa, margeando a areia da praia, para atender, de uma forma mais segura, a necessidade das pessoas que praticam esse esporte.

A apresentação aconteceu em mais uma Audiência Pública realizada pela Comissão da Avenida Soares Lopes. Criada pela Câmara Municipal a série de audiências discute com a população o futuro da avenida. Nesta sexta, foi a vez da Audiência Setorial “Esporte e Lazer”, a terceira da série. Um grupo expressivo de representações esportivas da cidade se reuniu na Câmara para apresentar demandas e propostas para a avenida que todos querem ter. Quais são hoje os seus principais problemas? A avenida seria uma área para novos empreendimentos públicos? Ou espaço apenas para lazer e entretenimento? Você conhece a biodiversidade da praia da avenida? Costuma ir com frequência à Soares Lopes? Que problemas você enxerga nela? São alguns dos questionamentos que vêm sendo feitos.

Podia ser diferente

Rui Xavier, dirigente de uma empresa de assessoria esportiva, concorda com o maratonista. E traz ainda um sentimento de que tudo poderia ser muito diferente. Acostumado a viajar, ele lamenta o fato de “correr o mundo todo e ficar com a sensação de porque eu não tenho essa oportunidade de correr em meu próprio quintal”. A falta de um olhar para uma das maiores vocações naturais da Soares Lopes, o esporte e lazer, não estimula no fortalecimento das entidades esportivas que se utilizam dos espaços da orla. Até as mais tradicionais sentem o impacto do descaso.

A Associação Desportiva Baba de Ilhéus (Adebi) fundada há 73 anos, nos bons tempos chegou a contar com mais de 300 associados. Hoje não chega a 80. O representante Ademar Argolo, lembra que a entidade não tem fins lucrativos e a ausência de governos para ouvir as demandas, termina por afastar os amantes do futebol. Carlos Augusto, representante da Associação Ilheense de Esportes Radicais, uma entidade com mais de 20 anos de existência, lembra que a avenida tem “uma área com potencial gigante” mas é mal gerida. “A nossa pista de skate chegou a ser mal vista pela cidade por conta da falta de atenção e cuidado”, lembrou.

“Há esgotos, total falta de segurança”, completa Mestre Ramiro, do Coletivo Capoeira Ilhéus. Para ele, a avenida como alternativa de ocupação para a atividade esportiva e de lazer, só ocorrerá efetivamente quando a estrutura física estiver diretamente relacionada à recuperação do espaço. “São adequações que devem, inclusive, ocorrer imediatamente, mesmo antes da definição de um projeto arquitetônico da orla”, opina Quincas Ribeiro, presidente da quase centenária Liga Ilheense de Futebol. A LIF acaba de ganhar uma área cedida pela prefeitura para a criação de um centro de treinamento opcional, nas proximidades do Centro de Convenções, com o objetivo de preservar as condições do gramado do estádio Mário Pessoa, que anda bastante prejudicado, pelo excesso de uso. “Será da Liga, dos filiados e das pessoas que quiserem usar”, assegura Ribeiro.

Avenida sustentável

Para Jorge Lango, representante do Clube Satélite de Remo, uma das mais tradicionais entidades esportivas da cidade, é fundamental integrar o meio ambiente e o esporte. Habitar a avenida de forma ordenada e sustentável. “Com a chegada do Porto de Malhado houve um recuo considerável do mar. A natureza nos tomou isso, mas nos deu uma grande contrapartida: ganhamos aproximadamente 130 hectares de área litorânea que precisam ser usados de forma consciente e inteligente”, afirmou.

Alegando problemas de saúde, o novo secretário de Esportes, Kaíque Souza, vereador licenciado, foi representado na audiência pelo assessor Tiago Raposo, que lembrou que a recém-criada secretaria ainda passa por um processo de estruturação. “Vim ouvir ideias e ver uma forma de atender projetos. De fato, a avenida precisa ter mais opções para os jovens e servir como um espaço de geração de emprego e renda”, afirmou, completando que “o empenho existe”.

“É preciso ficar claro qual é mesmo o papel da Câmara nesta discussão”, alerta a vereadora Enilda Mendonça (PT). “O nosso papel é criar a grande escuta e, no final, estabelecer uma metodologia de ouvir a todos os segmentos econômicos, esportivos e ambientais”. A parlamentar lembrou que um projeto para a avenida não sai do zero e que os parlamentares estão revisitando as legislações existentes. “A Soares Lopes não pode ser definida em pedacinhos. É preciso planejar a curto, médio e longo prazos. Tem que ser um projeto de estado e não projeto de governo, para poder ter continuidade da sua execução qualquer que seja o ocupante do Palácio Paranaguá”, destacou.

O presidente da comissão, vereador Vinícius Alcântara (PV) destacou a necessidade de democratizar cada vez mais a ocupação legal da avenida. “Existe tanto a necessidade de quem não tem espaço e, também, tem quem já está na área e pratica esporte. Enquanto não tiver um espaço realmente organizado a gente não vai conseguir equilibrar. E esse é desejo”, afirmou, acrescentando que, para o bem coletivo, a cidade deverá encarar isso de frente.

Paralelamente às audiências setoriais, segue a escuta pública presencial (recepção da Câmara) ou online (https://forms.gle/8PYmL9NZQptuDA2aA) onde a população poderá opinar sobre o futuro da avenida.