Carlos Freitas está foragido.

Carlos Freitas está foragido.

A Polícia Civil esclarece que das ocorrências envolvendo o homem que agrediu a mulher em Ilhéus, três são de violência doméstica. Os registros foram feitos na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam/Ilhéus), com inquéritos já remetidos à Justiça.

Outros procedimentos estão em curso na unidade, entre eles o inquérito sobre a agressão registrada em vídeo, que resultou na prisão preventiva decretada pela Justiça, após solicitação da Deam, unidade que iniciou a investigação sobre o caso, mesmo sem a oficialização da vítima, por se tratar de ação penal pública incondicionada.

Há também uma ocorrência de 2017 por maus-tratos contra a mãe feito por uma vizinha, um registro de crime contra a honra de uma ex-namorada e um de ameaça contra uma mulher fora do contexto da Lei Mara da Penha. Nos três últimos casos, as investigações não puderam avançar, pois as vítimas se recusaram a comparecer para dar mais informações sobre a violência sofrida.

Além dos casos registrados na Deam/Ilhéus, também há duas ocorrências de ameaça a uma adolescente fora do contexto da Lei Maria da Penha e um registro de ameaça e difamação contra um jovem do sexo masculino, em outras unidades da Polícia Civil.

Acerca do inquérito que trata das agressões registradas em vídeo, o suspeito foi ouvido e liberado, considerando que o fato ocorreu no mês de junho, o que anula a possibilidade de flagrante e que, naquele momento, a autorização para prisão ainda não havia sido decretada. A Polícia Civil segue em diligências para tentar cumprir o mandado contra o acusado.

Ascom-PC.