Jovem decide apoiar PSD.

Jovem decide apoiar PSD.

Quem me conhece, e só sabe disso quem me conhece, sabe que uma coisa que sempre tive na minha vida pessoal e militância política é uma coisa chamada lado!

Dentro do PT, diante das suas diversas opiniões e correntes, já mudei de lado e de opinião, mas sempre defendendo o lado em que eu estava, jamais vivendo em cima do muro. No campo pessoal e político não convivo, nem quero conviver com os isentos e com os omissos.

Não faço política pautado pela moral burguesa, em que tudo ela pode e os pobres nada. Inclusive não acredito em moralismo político. Fujo de quem faz esse discurso.

Porém, o que quero falar é de coerência! Cheguei na cidade de Ilhéus no final do ano de 2012, logo no início de 2013 transferi o meu título de eleitor e a minha filiação partidária para o PT ilheense. Mesmo recém chegado, contribuir com o Partido como pude, me expus nas ruas, nas lutas e na defesa daquilo que acreditava que era justo. Não como militante do PT, mas como um jovem cidadão, participei do Movimento Reúne Ilhéus. Na época eu era Caixa em uma Lanchonete, acabei perdendo meu emprego por ter me envolvido no Movimento e ter faltado demais ao trabalho. Mas era apontado pelo então governo Jabes Ribeiro como “forasteiro”, “militante profissional”, “foragido da justiça” e tantos outros ataques mais.

Fui ameaçado de morte por capangas do Prefeito, fui intimidado por aliados políticos. Mas nada disso me abateu, eu e tantas outras companheiras e companheiros seguimos de cabeça erguida, recebendo o imenso apoio da população indignada.

Foi através da nossa ousadia, que impulsionamos uma grande greve geral dos servidores públicos, que nunca foram recebidos pelo então gestor, pelo seu vice e secretários. Se haviam posturas contrárias ao autoritarismo do Prefeito, nunca foram externalizadas, inclusive o seu vice topou ser candidato a sucessor do seu projeto nas eleições de 2016. Época em que o PT bravamente se recusou a fazer essa aliança, que estranhamente faz agora, 4 anos depois, e em um momento em que nada acrescenta ao Partido, pois as coligações de vereadores não existem mais, ou seja, um partido não ajuda mais alguém de outro partido a se eleger.

Defenderei o PT e o seu lado com o povo e pelos direitos, apesar da sua direção atual municipal, que caminha ao contrário da história do Partido.

Qual petista se sentirá orgulhoso em colocar o número 11 (aqui em Ilhéus) no peito e dizer “volta Jabes (através de Cacá), volta meu prefeito?”. Como baterão nas portas dizendo que o projeto combatido nos últimos 16 anos serve agora para o povo de Ilhéus?

Diante do que sobrou no cenário político, de todo meu coração, nessas eleições eu queria votar na querida Bernadete do PSOL. Mas o perigo ronda e o retrocesso também. Por isso, não achando que seja a perfeição, mas dentre a polarização estabelecida em que todos e todas conhecem muito bem, votarei em Mário Alexandre (PSD).

Será um voto crítico e de esperança que nos próximos quatro anos, o que está bom seja mantido, e o que precisa melhorar seja corrigido.

Como ilheense de coração e de direitos não posso concordar e participar de uma tentativa de trazer de volta um agrupamento que tanto perseguiu e mal tratou a cidade.

“Tudo tem limite se não vira palhaçada”

O povo não é besta!

Danillo Oliveira
Militante do PT