Ficha suja, do PT.

Ficha suja, do PT.

A convivência com ações na Justiça não é nenhuma novidade para ex-prefeita de Barro Preto, Jaqueline Reis Motta.  do PT (Partido dos Trabalhadores). Motta é alvo de 13 processos na Justiça comum decorrentes de sua gestão como prefeita nos anos de 2013-2016. São ações por improbidade administrativa, violação aos princípios administrativos, execução fiscal, omissão do pagamento do IPTU e dentre outros processos que correm em segredo de justiça. 

A maioria das ações estão tramitando na 1ª Vara da Fazenda Pública de Itabuna, que tem como juiz titular, Ulisses Maynard Salgado. A ex-prefeita Jaqueline Motta também é alvo de representação também no Ministério Público Estadual pelo fato das contas referentes à 2013 e 2016 terem sido rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios. 

Outras suspeitas de irregularidades na gestão de Jaqueline estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal por envolver recursos da união destinados à programas federais, a exemplo da saúde, educação e assistência social. 

Apesar do possível desvio de conduta, quando esteve à frente do município, a ex-prefeita alardeou na semana passada, que é pré-candidata a prefeita nas eleições de 2020. A decisão está nas mãos da justiça e do próprio eleitor, que já entendeu que Barro Preto não pode retroagir.  

M1

M2

M3