Por: Jeremias Santos. 

Jeremias Santos.

Jeremias Santos.

Como já mencionado em texto anteriormente publicado, votar no “oba-oba” implica consequências irreversíveis. As ideologias partidárias (válidas) transformaram-se em interesses pessoais. Destarte, reitero que a MAIORIA fica sempre para depois. Essa mesma MAIORIA, ao longo dos últimos anos, reclama da falta de emprego, da educação que está longe do ideal, da “insegurança pública” que aterroriza a todos, do desrespeito nas filas dos hospitais e tudo mais o que nos entristece.

Agora vamos aos números. São mais de 7.000 obras públicas paradas em cada canto do país, o que, em números, significa 76 bilhões de reais descendo pelo ralo. Em 10 anos, a taxa de homicídios, no estado da Bahia, cresceu 98%. Além disso, são quase 13 milhões de desempregados. Diante desses números, atrevo-me a dizer que você deve estar entre eles. Ainda falta uma coisa: a triste relação de amor e ódio entre os políticos e os inúmeros esquemas de corrupção causam-nos mal-estar.

Se não falta comida em sua mesa, agradeça, mas lembre-se de quem nada tem. Se consegue manter seus filhos numa escola decente, agradeça, mas lembre-se daqueles que às vezes nem aula tem. Se tem um emprego que pague suas contas, agradeça, mas compadeça-se com aqueles que  já  perderam as forças na busca por uma vida com o mínimo de dignidade.

Domingo, 07 de outubro, até às 19h,  as 556.628 “caixinhas da felicidade” (urnas eletrônicas) serão “abertas”, apresentando-nos os novos e mesmos (se quisermos) personagens da política nacional.

Infelizmente, dos mais de 147 milhões de eleitores aptos a votar, exatos 586 mil baianos não terão vez e voz nas “caixinhas” e que para alguns foi meticulosamente pensada sua ausência.

Eles (candidatos) sabem o que pode, mas, sobretudo, o que não pode nesse processo; todavia, alertar nunca é demais. Oferecer alimentação e  transporte de pessoas com interesse do voto, boca de urna, compra de voto, talvez a mais nojenta das práticas, não vão deixar de acontecer. É justamente nesse momento que, antes das “cuecas”, as malas abarrotadas de alguns “réis” circulem nas entranhas desse país, comprando uma gente que não faz ideia de que tem um valor inestimável, aliás bem acima de qualquer R$ 50,00 ou R$100,00, ou telhas, blocos, cimentos, dentaduras etc.

Que sejamos os olhos e ouvidos das polícias e da justiça eleitoral desse país. Denuncie. O Brasil que a gente quer para o futuro começa dentro de nós e agora!

Jeremias Santos
Radialista DRT-Ba6480
Bacharel em Administração de Empresas
Bacharelando em Direito