fies

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou audiência dos ex-ministros da Educação do governo Dilma Rousseff para explicar as inúmeras irregularidades detectadas no Fies, programa de financiamento de cursos superiores. O relatório da ministra Ana Arraes destaca que o programa foi desvirtuado, com a concessão indiscriminada de crédito sem análise prévia das condições sociais dos estudantes.

O tribunal aponta que houve “flexibilização das condições de financiamento entre os anos de 2010 a 2015, como taxa de juros e prazo de amortização, sem que fossem realizados estudos prévios que embasassem tal expansão.”

Na avaliação do tribunal, com base em um custo estimado de mensalidade de R$ 964,56 por mês, o valor estimado “apenas para manter os contratos já assinados no âmbito do Fies será de cerca de R$ 55,4 bilhões até 2020”. Desse total, 13,8 bilhões correspondem a contratos estabelecidos no primeiro semestre de 2014. O tribunal também detectou que a gestão do fundo gerou um passivo não contabilizado para a União de R$ 3,1 bilhões.